Alto padrão: diretores de Tarsilinha mostram bastidores do longa na 20ª Mostra

Célia Catunda e Kiko Mistrorigo deram uma super aula de produção infantil na Masterclass Tarsilinha, nesta segunda-feira (18); Filme será exibido no sábado (23/10), às 16h

Foto: reprodução

Por Juliana Rabelo

Os diretores do longa “Tarsilinha”, Celia Catunda e Kiko Mistrorigo, exibiram os bastidores da animação, nesta segunda-feira (18), na 20ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis. Com mais de 200 inscritos, a Masterclass Tarsilinha foi um verdadeiro compartilhamento de saberes e criatividade ao expor o processo de produção do longa. Tarsilinha terá exibição única neste sábado (23/10), às 16h na Mostra. 

O cenário do filme é inspirado nas obras de arte de Tarsila do Amaral, uma das maiores artistas brasileiras. Já a história é ficcional. “Não queríamos falar da história da artista, mas do universo que se comunica muito com as crianças. As crianças estudam Tarsila do Amaral na escola. O filme tem duas narrativas: de ficção e de resgatar o movimento modernista”, explicou Celia. 

O longa conta a história de Tarsilinha, uma garota de 8 anos que se vê sozinha depois que sua mãe perde a memória. Ela embarca em uma jornada para resgatar as lembranças da mãe. “No início ela se mostra uma menina insegura, frágil, admirando a mãe e ela meio que quer ser como a mãe e, de repente, a mãe não a reconhece, então ela se vê sozinha, se virando sozinha. É daí que inicia a jornada da heroína e se torna uma grande aventura de amadurecimento”, contou Kiko. 

Durante a Masterclass, foi possível conhecer o processo criativo e etapas de produção do filme, incluindo o conceito original, roteiro, artes conceituais, storyboard, linguagem gráfica, animação e trilha sonora. Os diretores mostraram de onde veio a inspiração para criar os personagens: desenhos próprios de Tarsila do Amaral feitos para um teatro infantil que nunca saiu do papel. 

Os diretores mostram a inspiração para criar os personagens do longa na Masterclass Tarsilinha. (Foto: reprodução)

 O filme partiu da fase antropofágica de Tarsila do Amaral. A estética do filme é espetacular e o cenário em 3D parece colocar o espectador dentro da obra. A paleta de cores em tons rosa e azul é a mesma que a artista utilizou em suas telas. 

“Tarsila veio da Europa deslumbrada com o que conheceu na Europa. Ao chegar no Brasil ela fez uma releitura dela dessas matrizes negras, portuguesas e fez uma coisa totalmente diferente. Inclusive nossa personagem é corajosa e a Tarsila também teve coragem no sentido de criar algo original, na escolha das cores, as cores brasileiras”, contou Kiko.

Atraso na produção por falta de políticas públicas

Entre pausas e retornos, o filme foi finalizado após 6 anos de produção.De acordo com Kiko Mistrorigo, as pausas aconteceram por falta de investimento e burocracias. “O orçamento é baixo em relação aos outros, é uma discrepância grande porque gostaríamos de ter mais orçamento para trabalhar com mais conforto… porque com pouco orçamento a gente trabalha com medo…medo de não conseguir finalizar o trabalho”, desabafou.

O público inscrito na Masterclass pôde fazer perguntas aos cineastas. Em um dos momentos, Celia contou a maior dificuldade enfrentada pela equipe do filme: “Foi achar distribuidora, as distribuidoras em geral querem distribuir animação de fora do Brasil por acharem que as daqui não dão público”. 

Kiko Mistrorigo e Celia Catunda são fundadores da TV Pinguim (posteriormente Pinguim Content), criadores de personagens de sucesso internacional como Peixonauta e Luna. Para o diretor, o audiovisual brasileiro precisa ser protegido. “O que a gente precisa é de política pública que dê uma certa proteção em relação aos privilégios do mercado internacional. Quando a gente importa Tarsilinha, Peixonauta a gente tá recebendo os direitos, ao invés de pagarmos, estamos recebendo”, exaltou Kiko.  

Serviço

O que: Exibição única do filme “Tarsilinha”

Quando: sábado (23/10), às 16h

Onde: pelo link.

–Você sabia que pode votar para escolher o melhor filme da Mostra Competitiva da 20ª edição?

No total são mais de 130 filmes de 23 países, uma seleção que reflete as diversas infâncias do Brasil e do mundo.

Então não esqueça de avaliar os filmes que assistir e, assim, participar da votação popular para escolha do melhor filme da 20ª Mostra.

Acesse os curtas-metragens.

Sobre a Mostra 

A 20ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis segue até 31 de outubro, online e gratuita, com 140 filmes, shows de música, sessões de cinema com transmissão ao vivo e bate-papo, oficinas, masterclass, Encontros de Cinema Infantil e Encontros de Mercado – mif.kids.

Confira a programação.

Como acessar a programação 

Basta entrar no site da Mostra navegar pelos programas de filmes, escolher os títulos que vai assistir e clicar nos links de acesso. 

Para participar das sessões e atividades ao vivo, localize o evento desejado na programação e, na hora marcada para acontecer, clique no link de acesso.



Faça parte da nossa lista!

Receba notícias atualizadas sobre a Mostra

    Aceito receber emails da Mostra de Cinema Infantil

    patrocinadores da Mostra
    Mostra de Cinema Infantil