Mostra 2003, no CICMais de 5.500 pessoas compareceram às sessões da 2ª Mostra de Cinema Infantil – 2003. Desse total, 2.500 eram crianças de escolas públicas. Para elas, a programação ocorreu durante a semana, gratuitamente, no período da manhã e da tarde. O transporte para o cinema também foi de graça. Sem isso o projeto se inviabilizaria, pois as escolas não contam com estrutura para fazer passeios pela cidade. As sessões para o público geral aconteceram aos finais de semana. Em todas as sessões cinco livros eram sorteados e a pipoca era servida gratuitamente ao final, para a alegria da garotada.

A ideia de realizar a Mostra de Cinema Infantil surgiu da constatação e do anseio de motivar adultos e crianças a fazer do cinema um instrumento de aprendizado moral, social e político, na acepção mais ampla que esses termos possam ter. O cinema pode ser um dos melhores meios para se ensinar com prazer.

A Mostra 2003 resgatou um pouco da memória do cinema nacional. Fizemos uma cópia nova do filme “Pluft, O Fantasminha”, dirigido por Romain Lesage. “Pluft” é um filme de 1961 e foi o primeiro longa-metragem colorido revelado no país. A maioria dos filmes selecionados para essa Mostra foi de produções nacionais. Mas trouxemos também filmes de outros países e novidades do cinema infantil mundial, como “A Viagem de Chihiro”, ganhador do Oscar de melhor animação em 2003.

Nesta segunda edição, as sessões ocorreram em Florianópolis e também na cidade vizinha de São José. No Cine York, as crianças puderam ver filmes baseados na obra de Maria Clara Machado. Na Casa de Cultura Estácio de Sá aconteceram sessões de vídeo gratuitas. A Mostra teve também eventos paralelos. Como no ano anterior, fizemos um debate sobre Audiovisual e Educação, que contou com a participação de professores e pesquisadores.

A grande novidade desta edição foi a oficina de vídeo para crianças da Comunidade Chico Mendes. Elas puderam participar de todas as etapas de produção de um audiovisual e o resultado foi um documentário sobre meio ambiente.

No encerramento da Mostra, um acontecimento muito especial: a exibição do documentário feito pelas crianças. Foi um momento de encantamento e emoção. Ele foi projetado na parede externa da Igreja de São José, e foi uma alegria das crianças ao se verem na tela, todos ficaram contagiados. Neste momento tivemos a certeza que estamos no caminho certo. Promover a inclusão social e a integração de todas as crianças será sempre o nosso objetivo maior. A Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis, com certeza, ficou no coração de todas as crianças e adultos que passaram pelas salas de cinema do CIC, do Cine York, e da Casa de Cultura Estácio de Sá. E, devido ao enorme sucesso, já faz parte do calendário oficial de eventos da cidade.